Torre Eiffel FrançaA Revolução foi influenciada pelos ideais do movimento conhecido por Iluminismo. O lema “Liberdade, Igualdade, Fraternidade” foi adotado como marcha inicial da revolução. O movimento defendia o pensamento racional diante a visão teocêntrica que dominava a Europa. Para os filósofos, o pensamento era a única luz capaz de iluminar as trevas (período em que a sociedade se encontrava), daí o nome de Iluminismo.

Para que o ser humano pudesse evoluir intelectualmente, era necessário colocar a razão frente as crenças religiosas e o misticismo. As respostas para os questionamentos do homem, que eram baseadas na fé, deveriam ser abandonadas e uma nova busca deveria ser realizada para que as respostas tivessem um embasamento lógico e real.

Os filósofos acreditavam que o homem nascia bom, porém era corrompido pela sociedade que não tinha princípios, nem moral. Para eles, se o homem fizesse parte de uma sociedade justa, onde pudesse desfrutar de direitos e liberdade iguais a todos, o bem estar geral e a felicidade poderiam ser tornar realidade. Devido a esses pensamentos, os iluministas eram contra o absolutismo, privilégio a poucos (como os concedidos a nobreza e ao clero), mercantilismo e a qualquer prática imposta obrigatoriamente. Para eles, todos os cidadãos deveriam ter como direito igualdade jurídica e tributária.

Para os burgueses essa filosofia era interessante, pois mesmo sendo uma classe que detinha poder econômico, eles não podiam atuar em campo político, tendo uma participação limitada. E outro ponto era o governo interferir na economia. Com o fim do Antigo Regime, a burguesia pode atuar livremente na área econômica e pode ver o clero e a nobreza perder todos o privilégios que tinham.

Essa nova forma de pensar desencadeou processos vastos de produção de conhecimento. Na política, novos ideais foram responsáveis pela criação de instituições que tinham como base o pensamento racional. Para que o movimento surtisse efeito, era necessário um grande acontecimento que exercesse impacto sobre toda a sociedade. Nesse mesmo período, a França passava por uma crise, na qual o clero e a nobreza viviam as custas do resto da sociedade, que era a burguesia e os camponeses.